Reflexões cotidianas, romantismo macarrônico moderno

E mesmo no meio de tantas pessoas, quando te olhava nos olhos podia lhe enxergar e te ver por completa, se sentindo sozinha no âmago mais profundo de sua bela alma, como se nada mais ali importasse.

Tragicamente, de uma forma ardilosa e sádica, você preferiu ignorar nosso destino de felicidade…correu de mim…escorregou pelos meus dedos tão lentamente como se desejasse que eu lhe segurasse uma vez mais. Infelizmente, não pude mais lhe ter me minhas mãos e me encontrei novamente em solidão.

Romantismo? Não, só fiquei com fome, maldita macarronada fugitiva

Comente!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s